quarta-feira, 9 de abril de 2008

Meu Sonho

.....................................................................

Eu
.........................................................
Cavaleiro das armas escuras,
Onde vais pelas trevas impuras
Com a espada sangüenta na mão?
Por que brilham teus olhos ardentes
E gemidos nos lábios frementes
Vertem fogo do teu coração?
...........................................................
............................................................
Cavaleiro, quem és? o remorso?
Do corcel te debruças no dorso...
E galopas do vale através...
Oh! da estrada acordando aa poeiras
Não escutas gritar as caveiras
E morder-te o fantasma nos pés?
..............................................................
............................................................
Onde vais pelas trevas impuras,
Cavaleiro das armas escuras,
Macilento qual morto na tumba?...
Tu escutas... Na longa montanha
Um tropel teu galope acompanha?
E um clamor de vingança retumba?
................................................................
..................................................................
Cavaleiro, quem és? _ que mistério,
Quem te força da morte no império
Pela noite assombrada a vagar?
.................................................................
.................................................................
O Fantasma
..............................................................
Sou o sonho de tua esperança,
Tua febre que nunca descansas
O delírio que te há de matar!...
...............................................................
Álvares de Azevedo
.................................................................
...................................................................
.......................................................................
[Foto: Armindo Dias]

11 comentários:

Ana disse...

Cavaleiro negro... Apesar do poema sublime.

Prefiro aqueles que ao revés de nos morderem os pés os beijam e acariciam. Gosto do cavaleiro que me sopra sol ao ouvido todas as noites enquanto durmo.

Beijos doces e ternos para alguém assim igual;)

Maria Laura disse...

Um bom poema, numa linha bastante dark. Mas bem escrito sem dúvida. Hmmm... será que a esperança pode matar, mesmo que seja apenas um sonho?

Kênia Garcia disse...

Grande Álvares de Azevedo.

Bom ter-te de volta à esta galáxia!! ^^

Beijos e belo fim de semana pra ti!

nuvem disse...

Um bom poema no estilo noir.

Beijos

Karlinne disse...

Alguém ainda vive aqui?

:***

Ana disse...

tens prendinha no 'Fragil Foot?.

até já;)

LNeves disse...

Não escutas gritar as caveiras
E morder-te o fantasma nos pés?

EEIIII brilhante... Adorei miudo :)

***MUAH***

Anabela disse...

Quando é que voltas?


Beijooo

LNeves disse...

Que é feito de ti rapaz????

***MUAH***

Katrina disse...

E um salve para todos aqueles que não deixaram a poesia ultra romântica morrer!

Fláh disse...

Morrer por um delírio.
Uma morte sublime, masi ainda sim uma morte.