quarta-feira, 12 de março de 2008

Sem Mais

......................................................................

Sempre esperamos um do outro
O que mais esperamos da gente
Por mais motivos que tenhamos
Dessa dor comovente
Que arde na alma
Que esfria o corpo quente
Desses pesadelos mórbidos
Que tenho tido ultimamente

Será que foi tudo uma mentira
Que passou entre a gente?
Falsas conversas entre o nosso corpo e a mente
Quanto tempo tenho pra te provar quem sou?
Dessas frases malucas
Já nem sei quem errou

Eu sei que o tempo não vai mais voltar
Somente ele vai apagar
E o que nos resta é apenas dizer
Acabou pra mim
Como pra você
.....................................
[Central*]
..............................................
...............................................
_____________
...................................
..................................
Anjo meu
Traga vida ao meu coração
Traga luz ao meu desespero
A cada dia o jugo se torna maior
Será a minha sina?
Meu Deus, tende compaixão dessa pobre alma abandonada
Deste ser inanimado que me tornei.
...............................................
...............................................
______________
..................................................
................................................
....................................................
[* Pelo andar da carruagem dia 30 poderá ser a última vez que esta música será executada pela Central, será?]
..............................................
[Foto: Armindo Dias]

8 comentários:

Ana disse...

Guarda as folhas do passado numa caixinha de música, lindo. Assim terás sempre razões para sorrir com elas, mesmo quando te provocam alguma dor.

E o futuro? O de anteontem foi ontem, o de hontem amanhã e o de hoje deixará de o ser também depois de amanhã.

Vive o presente, sempre.

Beijos docinhos;)

PS:És um querido! Tenho adorado os teus comments... Muach!

Nezinha disse...

O tempo é infinito, temos a vida toda para mostrar ao mundo quem somos, mas o mais importante é sabermos nós mesmos quem somos e só assim podemos mostrar aos outros!


(aquela foto é o boletim da minha folha de teste onde tem a classificação da prova, que não foi aquela para a qual eu estudei)

Mr. Ziggy disse...

Meu caro, andei lendo seus textos e achei idéias deveras interessantes. Abração!

Francisco Escobar disse...

quanto tempo tenho para provar quem sou?

a grande questão é: precisamos provar quem somos? ou estamos provando isso todos os dias? a vida é uma prova de nossa existência, vivemos uma complexidade de sentimentos que nos atormentam com felicidades oscilando com tristezas...

agora o outro trecho em destaque...
Acabou para mim, como para você (creio que existe uma "?" ai) e me pergunto, a vontade é que tenha acabado para o outro? e, acabou pra vc?

Fláh disse...

Noos, que linda letra.
central?
Não tinha ouvido falar.

VOu procurar me informar, se der tempo pelo visto.

Maria Laura disse...

Um belo poema. Letra de uma canção, ao que parece. Gostei, Sam.

Rafael disse...

"[* Pelo andar da carruagem dia 30 poderá ser a última vez que esta música será executada pela Central, será?]"


você é louco?

tem 'pobrema' na cabeça?

Ana disse...

"Anjo meu
Traga vida ao meu coração
Traga luz ao meu desespero
A cada dia o jugo se torna maior
Será a minha sina?
Meu Deus, tende compaixão dessa pobre alma abandonada
Deste ser inanimado que me tornei..."

Querido Sam por vezes este é também o meu apelo!

Beijo doce,:)*