quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Metade

.............................................................................................................

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
.............................................................
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.
............................................................
Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.
..............................................................
Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
Mas a outra metade é um vulcão.
...............................................................
Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso que eu me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui
E a outra metade não sei.
...............................................................
Que não seja preciso mais que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.
.........................................................
Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.
.......................................................
E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.
.......................................................
......................................................
Oswaldo Montenegro
............................................................................
[Foto: Haleh Bryan]

8 comentários:

Ana disse...

"..E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também..."

Que seja assim perdoada a loucura de todos nós...
Belo demais este poema!
Envolveu-me a alma..

Beijinho
Ana

nuvem disse...

Ouvi este poema declamado há pouco tempo e adorei :) É realmente lindíssimo.

Beijo

Fláh disse...

"5 - Todo Carnaval Tem Seu Fim - Los Hermanos [vem bem a calhar]"

adooooro.

e sobre o post de agora.

So posso dizer: que é perfeito.

Karlinne disse...

Olha só eu de novo!

O seu Blog está cada vez mais interessante.

Adoro essa música/poesia.

:)

LNeves disse...

ppffff fantástico :)

***MUAH***

A Filosofia e Afins disse...

é, oswaldo montenegro tem uns poemas e ou músicas (como prefirir) de primeiríssima qualidade, acho até que vu baixar algumas cmúsicas dele para poder escutar

abraços!!

Fláh disse...

Tbm sempre fiquei pensando porque o Brutus não comia espinafre tbm. hausha

:)

Carol Barcellos disse...

Que coisa linda de poema! Acho que todos temos um lado B assim, mas é bem menor o número de pessoas que são feitas de metade amor e metade amor....

Beijos doces cristalizados!!! :o*